24
mar
CATEGORIA: Gabbie no Youtube

Homens que amamos? #HomensRisque #JuntasContraVazamentos

Para quem se interessar mais sobre o assunto, tem uma matéria bem legal aqui que fala sobre o machismo na publicidade brasileira.

Mas enquanto a Risqué tá fazendo essa cagada ai, a Granado tem linhas de esmalte inspiradas nas divas do cinema, música e grandes escritoras. Nem tudo está perdido.

  1. Carolina 24/03/2015 | 18:58

    Você disse tudo! É impressionante que até coisas que são para as mulheres tem que de alguma forma agradar os homens. Comerciais de carro, cerveja e o diabo a quatro são totalmente voltados para o publico masculino, alguns tão machistas que incomodam as mulheres, mas temos que “aturar” por não sermos o público alvo, agora querer agradar homem até em campanha de esmalte? NÃO! Mil vezes NÃO! Nem comento sobre a always porque já faz algum tempo que eu percebi que comercial de absorvente também é feita pra agradar os homens e tenho raiva desde então. Campanhas boas como “Like a Girl” são raras.

  2. Bernardo 25/03/2015 | 10:04

    Campanha ridícula. Fê mandou mensagem? chega dar enjoo uma coisa dessas. Acredito que isso é ofensivo até para o nosso caso, pois que homem gostaria de ser representado somente dessa forma? Inacreditável que essa coisas sejam aprovadas e lançadas ao público. Esses diretores de marketing não pensam antes de lançar uma campanha? Será que é tão difícil elaborar um trabalho sério, reflexo e de valor social? Poxa, um produto destina ao mercado feminino, mas que homenageia os homens, que certamente não fazem parte da grande maioria do mercado consumidor desta empresa, e ainda por cima ridiculariza-os. Sério, o Fê mandou mensagem é a pior de todas. Que negócio é esse de Fê?
    Agora, uma coisa me incomoda na reação do #homensrisqué, pois alguns comentários são misândricos defendo o esmalte vermelho (sangue de homens) e base brilhante (lágrimas de homens). Algumas mulheres estão distorcendo o significado do feminismo que luta por direitos iguais entre mulheres e homens, mas em momento algum quer ocupar o lugar dos homens baseando na aniquilação de todos eles, essas mulheres confundem femismo com feminismo, e isso é preocupante.
    A generalização assusta, uma vez que muitos comentários aceitam a ideia de que todo e qualquer homem é um estuprador potencial pelo simples fato de ter um pênis, quando na verdade a cultura do estupro, como o próprio nome diz, é um reflexo político e social, portanto cultural. É importante estudar muito antes de fazer qualquer comentário que venha a fomentar ainda mais violência. Chega da máxima: homens são todos iguais, pô! não é verdade. Sei que o feminismo reflexivo luta pelo fim dessas generalizações, mas é importante deixar isso em evidência. Feministas não querem a castração total dos homens, não defendem o extermínio masculino, muito pelo contrário, lutam pelo direito de igualdade de gênero, e pela desnaturalização dos arquétipos sociais que resumem homens e mulheres a estampas. Sim, a cultura do machismo é nociva até mesmo para nós homens.
    A publicidade deveria levantar discussões desta natureza, desconstruir os padrões e não reforçá-los. Muitas mulheres apoiaram a campanha da Risqué alegando que amam sim seus maridos. Ok! isso é válido e ninguém quer o contrários, mas a situação é muito mais profunda.
    A Risqué, pelo que tudo indica, sem saber resumiu a vida das mulheres aos homens que elas amam. Afinal toda mulher passa o dia inteiro esperando que o Fê (isso chega doer) ligue ou que o Guto faça o pedido, afina o casamento é o grande sonho de toda mulher, junto com a maternidade. Será Risqué? Nós homens, segundo a Risqué, somos príncipes encantados, e passamos o dia inteiro galanteado donzelas, comprando flores, para depois montar em nosso cavalo branco e partir rumo a torre mais alta do castelo mais distante. Romance é ótimo, mas não é conto de fadas, existe outras formas de demostrar afeto, portanto você homem que não sabe escolher flores, que não sabe cozinhar (você mulher também) não tenha vergonha disso, não existe essa obrigação.
    Espero por dias melhores para publicidade brasileira, campanhas engajadas aos movimentos de combate as opressões sócio culturais que façam as pessoas refletir à humanização de nossas ações. A publicidade é um grande aliada nessa questão, mas quando ela vai se dar conta disso, e começar a trabalhar? Tomará que não demore muito!

  3. Bernardo 25/03/2015 | 10:12

    Campanha ridícula. Fê mandou mensagem? chega dar enjoo uma coisa dessas. Acredito que isso é ofensivo até para o nosso caso, pois que homem gostaria de ser representado somente dessa forma? Inacreditável que essa coisas sejam aprovadas e lançadas ao público. Esses diretores de marketing não pensam antes de lançar uma campanha? Será que é tão difícil elaborar um trabalho séria, reflexiva e de valor social? Poxa, um produto destinado ao mercado feminino, mas que homenageia os homens, que certamente não fazem parte da grande maioria do mercado consumidor desta empresa, e ainda por cima ridiculariza-os. Sério, o Fê mandou mensagem é a pior de todas. Que negócio é esse de Fê?
    Agora, uma coisa me incomoda na reação do #homensrisqué, pois alguns comentários são misândricos defendendo o esmalte vermelho (sangue de homens) e base brilhante (lágrimas de homens). Algumas mulheres estão distorcendo o significado do feminismo que luta por direitos iguais entre mulheres e homens, mas em momento algum quer ocupar o lugar dos homens baseando-se na aniquilação de todos eles, essas mulheres confundem femismo com feminismo, e isso é preocupante.
    A generalização assusta, uma vez que muitos comentários aceitam a ideia de que todo e qualquer homem é um estuprador potencial pelo simples fato de ter um pênis, quando na verdade a cultura do estupro, como o próprio nome diz, é um reflexo político e social, portanto cultural. É importante estudar muito antes de fazer qualquer comentário que venha a fomentar ainda mais violência. Chega da máxima: homens são todos iguais, pô! não é verdade. Sei que o feminismo reflexivo luta pelo fim dessas generalizações, mas é importante deixar isso em evidência. Feministas não querem a castração total dos homens, não defendem o extermínio masculino, muito pelo contrário, lutam pelo direito de igualdade de gênero, e pela desnaturalização dos arquétipos sociais que resumem homens e mulheres a estampas. Sim, a cultura do machismo é nociva até mesmo para nós homens.
    A publicidade deveria levantar discussões desta natureza, desconstruir os padrões e não reforçá-los. Muitas mulheres apoiaram a campanha da Risqué alegando que amam sim seus maridos. Ok! isso é válido, e ninguém quer o contrário, mas a situação é muito mais profunda.
    A Risqué, pelo que tudo indica, sem saber resumiu a vida das mulheres aos homens que elas amam. Afinal toda mulher passa o dia inteiro esperando que o Fê (isso chega doer) ligue ou que o Guto faça o pedido, afinal o casamento é o grande sonho de toda mulher, junto com a maternidade. Será Risqué? Nós homens, segundo a Risqué, somos príncipes encantados, e passamos o dia inteiro galanteando donzelas, comprando flores, para depois montar em nosso cavalo branco e partir rumo a torre mais alta do castelo mais distante. Romance é ótimo, mas não é conto de fadas, existem outras formas de demostrar afeto, portanto você homem que não sabe escolher flores, que não sabe cozinhar (você mulher também) não tenha vergonha disso, não existe essa obrigação.
    Espero por dias melhores para publicidade brasileira, campanhas engajadas aos movimentos de combate as opressões sócio culturais, que façam as pessoas refletirem à humanização de nossas ações. A publicidade é uma grande aliada nessa questão, mas quando ela vai se dar conta disso, e começar a trabalhar? Tomara que não demore muito

  4. Tale Henry 28/03/2015 | 15:58

    Hello Gabbie, eu adoro seu blog e seu canal do youtube, e fãs da gabbie deem uma olhada no meu blog por favor, ele é novo e eu pretendo fazer ele crescer, por favor gabbie divulgue ele pra mim ? agradeço desde já…

    http://talehenry.blogspot.com.br/

Deixe um Comentário